Química do cigarro

1- Filtro

Actualmente, quase todos os cigarros possuem filtros, supostamente para minimizar a absorção das substâncias tóxicas do cigarro. O fumador tem a falsa sensação de que está protegendo a sua saúde, ao receber dose mais baixa e segura de nicotina e alcatrão.

Os filtros são formados por furos responsáveis pelo sistema de ventilação. O fumador utiliza um mecanismo de compensação, ou seja, ao aspirar a fumaça durante o trago, comprime os furos do filtro com os lábios ou dedos, absorvendo as elevadas quantidades de nicotina e alcatrão que o seu corpo necessita.

No filtro encontramos o butano que serve como combustível para o isqueiro e como gás de cozinha. Ao ser inalado causa falta de ar, problemas na visão e coriza (inflamação da mucosa nasal). Esse gás pode causar a morte e é altamente inflamável.

Outra substância encontrada no filtro é o Polónio 210, um componente do lixo nuclear, além da amónia.

2- Papel

O papel é o invólucro do tabaco. Em sua composição existe o óxido de titânio, responsável pela quantidade e densidade de produção de fumaça e também pelo tempo que o cigarro permanece queimando.

O papel contém os chamados "Burn Rings", que controlam o tempo de queima do cigarro. Durante as tragadas a queimada é mais rápida para liberar uma maior quantidade de nicotina, nos intervalos entre elas a queima é mais lenta para aumentar a vida do cigarro.

O óxido de titânio pode ocasionar tosse, espirros, vermelhidão e inchaço na pele e nos olhos.

Outra substância encontrada no papel do cigarro é o Mentol. Esse tem a propriedade de diminuir o reflexo da tosse e disfarçar a sensação de secura na garganta, geralmente sentida pelos fumadores. Encontramos também um insecticida chamado Metopreno, além do solvente químico Benzeno.


Substâncias tóxicas do cigarro  

imagem do Google
imagem do Google


Nicotina

O cigarro é uma grande engenharia de veiculação, disponibilização e entrega do alcalóide de nicotina. Essa é a grande responsável pela sensação quase que imediata de prazer, facilitando a instalação da dependência. Quanto mais rápida uma substância psicoactiva chega ao cérebro, maior é o seu potencial de criar a dependência. A nicotina consegue em apenas 10 segundos fazer todo o percurso ao ser inalada, absorvida pelo pulmão, passar para a corrente sanguínea e desencadear um impacto cerebral, libertando a dopamina, uma substância que propicia uma imensa sensação de prazer. Essa rapidez de impacto cerebral só é comparada com a cocaína.

A maioria dos cigarros contém até 10 miligramas de nicotina, porém em cada tragada o fumador absorve de 1 a 2 miligramas. A quantidade absorvida depende da característica individual da tragada que pode ser suave ou forte, com maior ou menor força de compressão dos lábios sobre o filtro. Assim cada fumador desenvolve sua forma peculiar de tragar, satisfazendo-se com a sua dose necessária de nicotina.

A vida média da nicotina no sangue é inferior a 2 horas, quando esse tempo se esgota, a concentração de nicotina no sangue reduz, surgindo os sintomas desagradáveis de abstinência, desencadeando no fumador o desejo de um novo cigarro.

Em 1997 a nicotina foi considerada pela Organização Mundial de Saúde uma droga psicoactiva, responsável por causar dependência física.

Para reduzir o potencial de instalação da dependência, os cigarros teriam que ter uma diminuição em cerca de 95% no seu teor de nicotina.

A nicotina é responsável pelo aumento do ritmo cardíaco, enfarte agudo do miocárdio, derrame cerebral, angina, elevação da fracção (mau colesterol) colesterol (LDL), menopausa precoce, gastrite, úlcera gástrica, enfisema pulmonar, bronquite crónica entre outras doenças.

imagem do Google
imagem do Google

Gases tóxicos

1- Monóxido de carbono (CO)

Mesmo gás que sai dos escapes de automóveis. Considerado tóxico, tem 250 vezes mais afinidade com a hemoglobina (componente do sangue) quando comparado ao oxigénio, ou seja, o CO ao entrar na hemoglobina forma a carboxihemoglobina, que dificulta a oxigenação dos tecidos do corpo.

Em consequência há a redução do desempenho do organismo para actividade física, dificulta as trocas de nutrientes e a cicatrização.

Um fumador de 20 cigarros/dia pode ter níveis de monóxido de carbono de 5 a 10 vezes mais elevados, quando comparado com os não fumadores.

2- Amónia

A indústria tabaqueira ao observar que grande quantidade de nicotina dos cigarros não era libertada durante a queima do cigarro, desenvolveu a "tecnologia da amónia", um produto químico geralmente utilizado na limpeza doméstica. Essa substância é corrosiva para o nariz e olhos. Quando adicionada ao tabaco, ajuda tanto na vaporização mais rápida da nicotina durante a queima do cigarro, quanto no seu depósito pulmonar. Todo esse mecanismo tem como objectivo acelerar a chegada da nicotina ao cérebro, ocasionado uma sensação quase que imediata de prazer.

Sendo depositada no pulmão, agrava o enfisema e a bronquite crónica do fumador.

3- Tolueno

Gás tóxico encontrado no escape de carros. Utilizado na fabricação de borrachas, óleos, resinas, tintas, colas, detergentes e explosivos.

Ao ser inalado, deposita-se na gordura do corpo e lá permanece durante anos.

Ocasiona a depressão do sistema nervoso central. A longo prazo, mesmo em baixos níveis de exposição, leva a dores de cabeça, perda do apetite, alterações nos ciclos menstruais.

4- Cianeto

Forma-se com a queima do cigarro. É reconhecidamente um elemento cancerígeno.

Utilizado nas indústrias para a manufactura de fibras, plásticos, tintas, pesticidas, usado como gás para matar ratos. Na Segunda Grande Guerra foi utilizado em grandes quantidades, levando à morte dos prisioneiros nos campos de concentração. Inalado em pequenas quantidades pode levar a tonturas, dores de cabeça, náuseas e vómitos.

5- Butano

Gás tóxico, inflamável, podendo ser mortal, Utilizado no isqueiro e também como gás de cozinha. Sua inalação ocasiona: dificuldade respiratória, alterações visuais e coriza (inflamação da mucosa nasal).

6- Cetonas

Produto entorpecente e inflamável, sendo mais conhecido entre as mulheres como removedor de esmaltes, presente na fumaça do cigarro. A inalação em pequenas quantidades irrita a garganta, ocasiona tonturas e dores de cabeça, em grandes quantidades pode levar à morte.

7- Terebentina

Substância tóxica obtida através da extracção de resinas de pinheiros. É um diluente de tintas a óleo, usado também para a limpeza de pincéis. Ao ser inalado provoca irritação nos olhos, vertigem, desmaios e lesões no sistema nervoso.

8- Xileno

Produto inflamável e cancerígeno encontrado em tintas de caneta. Ao ser inalado ocasiona irritação dos olhos, tontura, dor de cabeça e até a perda de consciência. Se ingerido, provoca pneumonia. As indústrias de canetas estão retirando o xileno da composição de seus produtos, devido aos riscos que oferece à saúde.

9- Ácido levulínico

Ao adicionar esse ácido ao cigarro a indústria de tabaco descobriu que a dureza da nicotina é disfarçada, bem como o teor de alcatrão nas fracções de nicotina é reduzido, ajudando-as a manterem-se dentro das exigências legais.

O ácido levulínico torna o sistema respiratório superior menos sensível ao fumo, favorecendo as tragadas mais profundas.

Metais tóxicos

1- Arsénico

Metal empregado na fabricação de venenos contra insectos. Muitos fumicultores utilizam pesticidas à base de arsénico, para se verem livres das pragas em suas lavouras de fumo.

Ocasiona lesões ao ser armazenado no fígado, rins, coração, pulmões, ossos e dentes.

2- Cádmio

Metal pesado, tóxico e cancerígeno que provoca lesões no fígado, rins, pulmões e cérebro. Além de cancro pulmonar, próstata, rins e estômago.

Pode permanecer no corpo por até 30 anos.

3- Acetato de chumbo

Substância que está presente na fórmula das tintas para cabelo, com potencial cumulativo no corpo humano, podendo ocasionar o aparecimento de cancro de pulmão e rim. Deposita-se nos pulmões, levando a perda da capacidade de ventilação desse órgão, gerando falta de ar, enfisema e cancro de pulmão. Quando inalado ou ingerido altera o crescimento de crianças e adolescentes. Provoca anorexia e dor de cabeça. Pode permanecer no corpo entre 10 a 30 anos.

4- Fósforo P4 P6

Substância encontrada em fertilizantes e produtos de limpeza bem como em produtos raticidas. É venenoso, podendo ser mortal para o homem, de acordo com a dose ingerida.

Substâncias cancerígenas presentes no cigarro

1- Alcatrão

É um termo usado para definir um conjunto de partículas sólidas orgânicas e inorgânicas, que são absorvidas pelo fumador quando o cigarro é aceso. Entre seus compostos encontram-se 43 substâncias cancerígenas, como por exemplo: Arsénico, Polónio 210, Carbono 14, DDT, Níquel, Chumbo, Benzopireno, Cádmio, Dibenzoacridina.

Grande parte das substâncias tóxicas do cigarro está sob a forma gasosa, não sendo incluída como componente do alcatrão, dando a falsa impressão de que não agride o organismo.

Cigarros com menor teor de alcatrão não são mais seguros para a saúde, pois contêm vários produtos tóxicos e cancerígenos.

O alcatrão no organismo do fumador ocasiona manchas nos dentes, dedos, deposita-se nos pulmões gerando uma coloração castanha escura.

2- Polónio

É um raro elemento radioactivo, sendo o Polónio 210 a sua forma mais comum.

O polónio produz um tipo de radiação extremamente prejudicial chamada de alfa radiação, que geralmente são bloqueadas pelas camadas da pele. Na fumaça do cigarro foram identificados vestígios de polónio, esses são depositados nas vias aéreas emitindo radiação para as células à sua volta. Estima-se que um fumador de 30 cigarros/dia esteja exposto à radiação equivalente a 300 RX de tórax em 1 ano.

3- Níquel

Usado na produção de aço inoxidável, ligas, moedas, galvanoplastia e pilhas alcalinas.

Armazena-se no fígado, rins, coração, pulmões, ossos e dentes. Sua inalação desencadeia alterações no estômago e intestinos, aumenta as probabilidades de infecções respiratórias e cancro.

4- Benzeno

É produzido durante a queima do cigarro. Utilizado como pesticida, na composição do detergente e da gasolina.

Também considerado cancerígeno. Ao ser inalado é absorvido pelos pulmões onde provoca danos irreversíveis a longo prazo, como o enfisema e a asma em crianças, filhos de pais fumadores. Transportado por todo o corpo em especial para o fígado. A exposição ao benzeno pode provocar leucemia entre 2 a 50 anos.

5- N- Nitrosaminas

Responsáveis por alterações do DNA, logo, consideradas cancerígenas ambientais, ou seja, o não fumador exposto a fumaça do cigarro em ambientes fechados, ao inalar essas substâncias tem mais probabilidades de desenvolver cancro.

Quando o fumo é associado com o álcool, seu efeito cancerígeno aumenta consideravelmente.

6- Formaldeído

Utilizado na conservação de cadáveres e na fabricação de produtos químicos para matar bactérias, fertilizantes, corantes e desinfectantes.

A fumaça do cigarro em ambientes fechados possui concentrações de formaldeído que podem chegar a níveis 3 vezes maiores, quando comparadas com o ar livre.

Provoca doenças respiratórias, reacções alérgicas como asma, comichão nos olhos, além de tonturas, diminuição da coordenação motora, dores de garganta e alteração do sono. Suspeito de ser cancerígeno para os seres humanos.

7- Acroleína

Gás com um forte cheiro nauseante, sendo o de maior concentração no cigarro. O cigarro contém 1.000 vezes mais acroleína quando comparado com outros produtos químicos que produzem alterações no DNA, sendo possivelmente o maior responsável pelo cancro de pulmão, bem como o formaldeído e acetaldeído que estão classificados no mesmo grupo.

Essas alterações são bem parecidas com as causadas pelo arsénico e cádmio.

Responsável pela destruição dos cílios pulmonares, fundamentais para a defesa das toxinas inaladas.

Outras substâncias

1- Acetaldeído

É utilizado no combustível, cola, tintas, plásticos, borrachas sintéticas, couro, espelhos. A indústria do tabaco desenvolveu estudos sobre a acção do acetaldeído conjuntamente com a nicotina em ratos de laboratório. Observou que a acção das duas substâncias favorece o potencial de dependência da nicotina.

Em humanos, pequena quantidade de acetaldeído leva à irritação da pele, dos olhos e do sistema respiratório.

2- Naftalina

Usado como veneno para matar baratas. O contacto com essa substância provoca tosse, irritação na garganta, náuseas, distúrbios gastrointestinais, renais e oculares, além de anemia.

imagem do Google
imagem do Google
::: As informações contidas nestas páginas são resultado de pesquisas bibliográficas desenvolvidos pelo autor. Contudo, não deverão ser usadas como diagnóstico, pois cada caso terá a sua especificidade. Consulte sempre um profissional de saúde. ::: www.facebook.com/alquimiadoeu.eu  :  miguel.laundes@gmail.com  :  © Miguel Laúndes, 2021
Desenvolvido por Webnode
Crie o seu site grátis!