O coração precisa de selénio, CoQ10, vitamina K2

As doenças cardíacas são a maior causa de morte nos EUA. O Centro de Controle e Prevenção de Doenças relata que aproximadamente 25% de todas as mortes resultam de doenças cardíacas. A doença arterial coronariana é a doença cardíaca mais comum e, a cada ano, 735.000 americanos sofrem ataques cardíacos.

Os factores de risco incluem pressão alta, tabagismo, obesidade, má alimentação e inactividade física. O custo anual do tratamento de doenças cardiovasculares foi estimado em US$ 351,2 bilhões, incluindo custos directos e indirectos.

De acordo com um relatório da Associação Americana do Coração publicado no início de 2019, 48% de todos os adultos dos EUA sofrem de algum tipo de doença cardiovascular. A maioria dos casos parece ocorrer devido ao aumento do número de pessoas com pressão alta. Em 2016, as doenças cardiovasculares ceifaram as vidas de mais de 840.000 pessoas nos EUA.

A vitamina K2 na forma MK7 protege a função endotelial

Dentro do coração e de todos os vasos sanguíneos, existe uma fina membrana de células chamada endotélio. O endotélio é responsável por controlar as contracções e o relaxamento do sistema vascular e o seu funcionamento deficiente é um grande predictor de derrames ou ataques cardíacos.

A disfunção endotelial pode resultar do diabetes, do tabagismo e da pressão alta. Após realizar exames, alguns médicos podem propor intervenções farmacológicas, com estatinas redutoras de lipídios e inibidores da ECA ou beta-bloqueadores para controlar a pressão arterial. Outra opção sem efeitos colaterais, é a ingestão de vitamina K2 MK7.

Um grupo de pesquisadores desenvolveu um estudo em animais no qual houve a indução da aterosclerose e, ratos de laboratório receberam um tratamento de vitamina K2 MK7 em pequenas dosagens por quatro semanas. Os dados revelaram uma melhora na acetilcolina e na vasodilatação dependente do endotélio induzida pelo fluxo na aorta e artérias femorais.

Os resultados foram medidos através de uma ressonância magnética e foram associados a um aumento na produção de óxido nítrico (NO). Doses mais altas não demostraram melhora adicional. Os pesquisadores descobriram que os dados identificaram uma actividade no perfil endotelial induzida pela vitamina K2 que ainda não havia sido descrito. Hogne Vik, PhD, Director Médico da NattoPharma, comentou:

"O estudo demostrou que a vitamina K2 MK7 melhorou a função endotelial dependente de NO em camundongos e os resultados mostraram que a K2 MK7 possui efeitos vasoprotectores, independente da disfunção endotelial ter sido tratada com vitamina K2 MK7 durante ou antes da formação das placas ateroscleróticas.

Isso contribui bastante para o nosso já substancial corpo de pesquisa, que mostra que a MenaQ7 é um nutriente cardioprotector e reafirma a razão pela qual a comunidade médica está interessada em continuar estudando esse nutriente importante para uma melhora da saúde global."

A vitamina K é uma vitamina lipossolúvel que o organismo utiliza para várias funções. O organismo apenas armazena pequenas quantidades dessa mesma vitamina. Além disso, vários medicamentos comuns também contribuem na redução dos níveis de vitamina K. Existem duas formas principais da vitamina K e dois subtipos comuns.

A vitamina K1 (filoquinona) é encontrada em vegetais folhosos, a qual intervém na coagulação sanguínea. Sem quantidades adequadas dessa vitamina, o sangue não coagula de forma apropriada, resultando em consequências possivelmente fatais.

A vitamina K2 (menaquinona) é fundamental para a saúde cardíaca e óssea. O organismo é capaz de sintetizar a vitamina K2 no intestino utilizando certas bactérias. Existem dois subtipos comuns da vitamina K. O primeiro é a menaquinona-4 (MK4), uma vitamina K2 de cadeia curta encontrada em produtos de origem animal. A MK4 tem uma vida útil curta, o que a torna uma má candidata a suplemento alimentar.

A menaquinona-7 (MK7) é uma cadeia mais longa encontrada em alimentos fermentados. Existem muitas formas de vitamina K2 de cadeia longa, mas a MK7 é a mais comum. E essa é a forma necessária que se deve suplementar.

Uma das melhores formas de adquirir uma boa fonte de vitamina K2 é fermentando seus próprios vegetais utilizando uma cultura bacteriana inicial com cepas que produzem K2 em sua forma MK7. A MK7 permanece no corpo por mais tempo, ajudando a prevenir a inflamação e a reduzir os riscos de fracturas ósseas, uma vez que canaliza o cálcio para os ossos.

A vitamina K2 é importante na prevenção das doenças cardíacas

Umas das formas pelas quais a vitamina K2 influencia a saúde cardíaca e óssea é através da activação de proteínas como a GLA matriz no sistema vascular e a osteocalcina nos ossos. "GLA" é o ácido glutâmico, responsável por conduzir o cálcio encontrado nas paredes arteriais para os ossos e dentes.

Quando o cálcio presente no revestimento dos vasos não é removido, os seus depósitos provocam a aterosclerose, responsável pelo enrijecimento e estreitamento das artérias, bloqueando lentamente o fluxo sanguíneo. Esta é uma causa comum de ataques cardíacos, derrames e doença vascular periférica.

Em um estudo realizado em Roterdão, os participantes que tinham níveis mais altos de vitamina K2 exibiram 52% menos probabilidades de sofrer calcificação arterial severa e um risco 57% menor de morrer por uma doença cardíaca em um período de 7 a 10 anos. Os pesquisadores descobriram ainda, que aqueles que consumiram 45 microgramas (µg) de K2 por dia, viveram em média sete anos a mais do que aqueles que consumiram apenas 12 µg por dia.

A vitamina K2 melhora a flexibilidade arterial e reduz os riscos de aterosclerose. A sinergia entre a vitamina K2, vitamina D, cálcio e magnésio melhora sua saúde cardíaca e óssea.

A combinação do selénio com a CoQ10 reduz os riscos de mortalidade

O bom funcionamento celular depende de vários factores, inclusive a quantidade de selénio e coenzima Q10 (CoQ10) ingeridos. Pesquisadores já denunciaram a ingestão de baixo consumo de selénio na Europa e sobre a produção de CoQ10, a qual, vai diminuindo com a idade. Um estudo de intervenção, envolvendo o selénio e a CoQ10 como suplementos alimentares, foi realizado durante um período de quatro anos.

O resultado foi que, participantes de uma região rural da Suécia demostraram uma redução na mortalidade cardiovascular. Doze anos depois, os pesquisadores conseguiram determinar se essa redução na mortalidade persistiria após o término do estudo.

Após avaliar dados dos participantes originais, os pesquisadores descobriram uma redução contínua na mortalidade cardiovascular dentre aqueles que utilizaram os suplementos de selénio e CoQ10. Após 12 anos, o grupo de tratamento activo apresentou uma taxa de mortalidade de 28,1%, enquanto o grupo placebo apresentou 38,7%.

Perante este estudo, concluiu-se haver uma redução considerável nos riscos daqueles que sofreram de cardiopatia isquémica, pressão alta, diabetes e problemas na capacidade funcional cardíaca. A acção protectora não foi limitada apenas ao período de intervenção! Persistiu durante o período de acompanhamento. Os líderes do estudo advertiram que o mesmo, deve ser utilizado para gerar hipóteses e não conclusões.

A diferença entre a CoQ10 e o ubiquinol

A CoQ10 e sua versão reduzida, o ubiquinol, são suplementos populares utilizados para melhorar a saúde cardíaca e mitocondrial.

Uma pesquisa revelou que a CoQ10 é o suplemento mais recomendado pelos cardiologistas. A CoQ10 é um antioxidante lipossolúvel usado para eliminar subprodutos possivelmente nocivos do metabolismo. A origem das doenças cardíacas parece estar fortemente relacionada às disfunções mitocondriais, o que significa que a CoQ10 é muito importante.

Pesquisadores descobriram que a CoQ10 pode melhorar a recuperação dos pacientes após uma cirurgia de ponte de safena e da válvula cardíaca, além de ajudar a reduzir os efeitos da insuficiência cardíaca e da pressão alta. A CoQ10 e o ubiquinol também ajudam a combater os efeitos negativos de vários medicamentos, inclusive drogas antiarrítmicas, estatinas, antibióticos, inibidores da ECA e diuréticos.

O ubiquinol é a forma reduzida da CoQ10. A conversão da CoQ10 em ubiquinol ocorre milhares de vezes dentro das mitocôndrias, enquanto estas alternam entre duas formas moleculares transformando os alimentos em energia. O corpo começa a aumentar a produção de ubiquinol durante o início da juventude, a qual vai diminuindo próxima dos 30 anos de idade.

Pessoas com menos de 30 anos podem absorver suplementos de CoQ10 com eficiência, mas os mais velhos se dão melhor com o ubiquinol, pois ele é absorvido e utilizado mais facilmente. Também é possível aumentar a capacidade do corpo converter a CoQ10 em ubiquinol através de uma exposição consciente ao sol e do consumo de vegetais folhosos, que são ricos em clorofila.

O micronutriente selénio é importante para a saúde cardíaca

Os micronutrientes são utilizados pelo corpo para a produção de energia, funcionamento do sistema imunológico, coagulação sanguínea, saúde óssea, dentária e outros processos. Esses componentes alimentares são necessários em pequenas quantidades, mas são vitais para o nosso bem estar e para a prevenção de doenças. Estes micronutrientes não podem ser produzidos pelo organismo, de forma que precisam ser consumidos através da alimentação.

O selénio é um micronutriente e um oligoelemento descoberto há quase 200 anos. Cientistas da nossa geração reconhecem ser essencial, devido às suas potentes actividades anti-inflamatórias, ant-ivirais e anti-cancro.

A nível celular, o selénio é um elemento activo da glutationa peroxidase, uma enzima responsável pela conversão do peróxido de hidrogénio em água, e serve como a primeira linha de defesa do corpo contra radicais livres nocivos.

Pesquisadores descobriram que pessoas com altos níveis de selénio apresentam riscos menores de cancro. A melhor fonte alimentar do selénio são as castanhas de caju, que contêm, em média, de 70 a 90 µg do micronutriente por noz. Apenas duas ou três por dia já suprem as necessidades diárias. Outras fontes alimentares incluem sardinhas, ovos orgânicos, salmão selvagem e sementes de girassol.

Embora a vitamina K2 MK7, a CoQ10 e o selénio estejam disponíveis como suplementos, não se deve descurar a ingestão de alimentos naturais que os contém.

Fonte: Dr. Mercola

::: As informações contidas nestas páginas são resultado de pesquisas bibliográficas desenvolvidos pelo autor. Contudo, não deverão ser usadas como diagnóstico, pois cada caso terá a sua especificidade. Consulte sempre um profissional de saúde. ::: www.facebook.com/alquimiadoeu.eu  :  miguel.laundes@gmail.com  :  © Miguel Laúndes, 2021
Desenvolvido por Webnode
Crie o seu site grátis!