Joanetes

O joanete no pé é uma saliência óssea ou um "osso mais saído que o normal" que pode causar dor mais frequentemente ao caminhar ou quando se usa calçado inadequado. É uma deformidade que afecta com maior frequência o primeiro dedo ou "dedo grande do pé", como veremos adiante.

O joanete é a patologia mais comum nos pés dos adultos, sendo que 30 % da população possui algum grau de deformidade. É 10 vezes mais comum no sexo feminino do que no sexo masculino. Nas mulheres a utilização de calçado de salto alto e "bico fino", contribui como factor extrínseco (externo) importante no agravamento da deformidade e nas queixas de dor.

O joanete surge, na maioria dos casos, na segunda década de vida e pode ser unilateral (afectar apenas o pé esquerdo ou direito). O joanete bilateral, ou seja, afecta os dois pés. É mais frequente que o joanete unilateral.

Os joanetes têm pouca relação com a actividade profissional e nenhuma prevalência para pessoas destras ou canhotas.

Tipos de Joanete

imagem do Google
imagem do Google

Hallux valgus

O hallux valgus é o tipo de joanete que afecta o primeiro dedo ou "dedo grande" do pé, sendo esta a deformidade mais comum (tipo de joanete mais frequente).

O nome científico para este tipo de joanete é hallux valgus, designação proposta por Carl Heuter em 1870. "Hallux" é o termo, em latim, que significa "dedo grande do pé" (1º dedo), e "valgus" a posição que este assume em relação ao eixo longitudinal do corpo, isto é, afastando-se do eixo do corpo.

No pé com joanete existe uma área localizada de proeminência da parte interna da articulação (metatarsofalângica) na base do 1º dedo. O alargamento, na verdade, representa um desalinhamento da articulação (metatarsofalângica) e, em alguns casos, a formação óssea adicional. Este desvio faz com que o 1º dedo popularmente conhecido como "dedo grande ou dedão" do pé fique a apontar para fora e rodado (hallux denominado abducto com deformidade em valgo) em direcção aos dedos menores.

Joanete Sastre ou bunionette.

O Joanete que afecta o quinto dedo ou dedo mínimo, popularmente conhecido por "dedo mindinho, dedo pequeno ou dedinho do pé" é o Bunionett ou Joanete Sastre, também conhecido como joanete de alfaiate devido à prevalência deste tipo de joanete nesta profissão (devido ao uso das máquinas de costura).

A deformidade ao nível do 5º dedo do pé é uma forma de joanete menos frequente que aquela que afecta o 1º dedo (hallux valgus). Esta deformidade situa-se ao nível da articulação na base do quinto dedo do pé com desvio em varo do dedo mínimo, que fica angulado para o lado interno do pé.

Assim, pode-se afirmar que o joanete ocorre mais frequentemente no primeiro dedo ou "dedo grande do pé" (hallux valgus), mas também pode afectar o exterior do pé na base do dedo mínimo, (joanete de Sastre ou bunionette).

Causas

Embora as causas para o surgimento do joanete não sejam completamente conhecidas, sabe-se que uma biomecânica anormal do pé pode levar à instabilidade da primeira articulação metatarsofalângica, resultando em deformidade.

Parece existir predisposição genética/hereditariedade (pé plano, laxidez ligamentar), que conduz a uma função anormal do pé. Isto é especialmente frequente em indivíduos mais jovens.

Existem também outros factores que contribuem para que a deformidade ocorra, nomeadamente, doenças auto-imunes e metabólicas (artrite reumatóide, gota, etc) e alterações neurológicas (acidente vascular cerebral, paralisia cerebral, trauma vértebro medular), entre outras.

Outras causas menos frequentes de deformidades são o trauma (entorses, fracturas, lesões nervosas), distúrbios neuromusculares (poliomielite ou doença de Charcot-Marie-Tooth) e dismetrias de membros (uma perna mais curta do que a outra), em que a perna mais comprida desenvolve o joanete.

Como vimos os joanetes afectam mais frequentemente as mulheres. Alguns estudos relatam que a sintomatologia ocorre cerca de 10 vezes mais frequentemente em mulheres que nos homens. Tem sido sugerido que os sapatos apertados, especialmente sapatos de salto alto e sapatos estreitos nos dedos, podem aumentar o risco para a formação de joanetes. São certamente um factor na precipitação da dor no pé e inflamação ou "inchaço" dos joanetes.

Sintomas

A dor no pé é dos principais sintomas do joanete que pode ir de moderada a intensa na área envolvida (bunion), que habitualmente é exacerbada ao caminhar ou ao usar sapatos mais apertados. Em repouso ou quando usa sapatos mais largos tende a diminuir ou desaparecer a sintomatologia.

Em determinadas circunstâncias pode ocorrer inflamação que pode ser desencadeada por alguns factores, como o uso de calçado apertado, por exemplo. O joanete inflamado é caracterizado por um pequeno saco cheio de líquido (bursa) adjacente ao bunion que inflama (bursite), levando ao "inchaço", vermelhidão e dor local. Trata-se de uma inflamação dos tecidos moles que é caracterizada por dor que pode ser acentuada sendo patente um "inchaço", vermelhidão e sensibilidade no local.

É importante notar que, nos homens após a puberdade e mulheres na pós-menopausa, a dor na base do dedo grande do pé pode ser causada pela artrite gotosa, causando dor semelhante à dor causada pelos joanetes.

Quando ocorrem alterações funcionais da marcha e parestesias é importante avaliar a presença de pé plano ou contractura do tendão de Aquiles.

No início da deformidade, os primeiros sinais e sintomas podem ser bastante ténues ou imperceptíveis, sendo que muitos joanetes são mesmo assintomáticos (não provocam sintomas), podendo contudo evoluir a deformidade com o tempo e surgirem queixas.

Diagnóstico

O diagnóstico de joanete é clínico, podendo ser complementado através da realização de exames complementares de diagnóstico (MCDT). Exames de Radiologia convencional (raio x do pé), Ecografia, TAC e Ressonância Magnética (RMN) podem ser necessários no diagnóstico diferencial.

O médico irá considerar o joanete como um possível diagnóstico quando forem observados sinais e sintomas descritos anteriormente. A anatomia e função do pé é avaliada durante o exame clínico. O estudo com radiografias do pé (em posição de carga) pode ser útil para determinar a integridade das articulações e avaliar o alinhamento dos dedos, bem como, para o rastreio de condições subjacentes.

O joanete é uma deformidade progressiva que vai piorando com o tempo. O diagnóstico correcto é essencial para definir a gravidade do joanete e deformidades associadas. Neste sentido, é importante efectuar uma consulta com um ortopedista, especialista em pé com a maior brevidade possível.

Cura

O joanete tem cura, mas não existe um tratamento padrão para todos os casos. O médico avalia as condições específicas de cada paciente - idade, estilo de vida, intensidade dos sintomas e estado geral da saúde, antes de propor um tratamento conservador ou cirúrgico.

O tratamento conservador não visa a correcção da deformidade. O objectivo é atenuar os sintomas e impedir a progressão do desvio.

Há casos mais graves que exigem tratamento cirúrgico. Existem inúmeras técnicas que permitem corrigir a deformidade, a fim de restaurar o alinhamento, melhorar a função e eliminar os sintomas dolorosos.

Tratamento

O tratamento para joanete depende de diversos factores, nomeadamente do grau de saliência do bunion e da existência de sintomas.

Os pacientes devem evitar irritações do joanete através da optimização do calçado e dos cuidados permanentes com os pés. Os sapatos, para quem tem joanetes, devem ser largos à frente e de preferência com uma sola de apoio, de modo a deixar o pé "solto" ou sem estar "apertado". Os sapatos apertados pressionam os lados do pé e agravam as queixas. O restante calçado, como ténis, botas, etc. devem ser seleccionados de igual forma. Nas mulheres é desaconselhado o uso de sapatos de salto alto, pois pressionam os lados do pé, agravam as queixas e podem provocar metatarsalgias.

O uso de um protector de joanete ou de palmilhas permitem aliviar a inflamação do bunion e atenuar a sintomatologia.

É também possível colocar nos sapatos protectores e separadores de dedos para joanetes. Estas ortóteses são normalmente fabricadas em silicone e existem à venda nas farmácias e lojas de material ortopédico.

Existem talas especiais ou correctores de joanetes que podem ser utilizados apenas durante a noite (corrector nocturno para joanetes) ou, então, de forma permanente (dia e noite). Este corrector de joanete funciona como uma tala correctiva, pressionando a articulação, de forma a diminuir o desenvolvimento da deformidade e desta forma reduzindo a dor. Trata-se de uma forma de alinhar progressivamente os tecidos moles e as articulações sem os danificar.

Como tratamento caseiro ou natural, o doente pode fazer em casa a aplicação de gelo no local, em caso de ocorrência de inflamação, o que é bom para diminuir a inflamação e dor local. De igual modo, deve evitar o contacto com superfícies ou líquidos com temperaturas elevadas (água quente, por exemplo).

O médico pode prescrever alguma medicação ou remédio para o joanete que podem ajudar a aliviar a dor e a inflamação, caso elas existam. Estes medicamentos anti-inflamatórios existem sobre a forma de comprimidos ou de pomada e gel para uso local e devem ser utilizados sempre de acordo com a prescrição do médico. Esta medicação permite apenas o alívio da sintomatologia e não permite efectuar a correcção das deformidades.

Nos casos mais graves, a constante pressão ou fricção pode levar a ruptura da pele e infecção que pode exigir terapia antibiótica, devendo o doente tomar os antibióticos sempre de acordo com a prescrição médica.

Em alguns casos, a fisioterapia tem indicação, através de exercícios específicos que podem ajudar no alívio da dor e diminuição da inflamação. É também importante a reabilitação da marcha, que envolve o equilíbrio muscular e adequado alinhamento das articulações do membro inferior.

Caso o doente pratique alguma actividade física, deve aconselhar-se com o médico ortopedista e eventualmente esta pode ser modificada para reduzir a sobrecarga causada no joanete.

Os tratamentos descritos são eficazes no tratamento do joanete e o prognóstico pode ser excelente, porém, quando estas medidas são ineficazes no alívio dos sintomas deve ser considerado o tratamento cirúrgico.

::: As informações contidas nestas páginas são resultado de pesquisas bibliográficas desenvolvidos pelo autor. Contudo, não deverão ser usadas como diagnóstico, pois cada caso terá a sua especificidade. Consulte sempre um profissional de saúde. ::: www.facebook.com/alquimiadoeu.eu  :  miguel.laundes@gmail.com  :  © Miguel Laúndes, 2021
Desenvolvido por Webnode
Crie o seu site grátis!