Hemoglobina Glicada

A hemoglobina é uma proteína presente nas nossas hemácias (glóbulos vermelhos), que são as células responsáveis pelo transporte de oxigénio pela circulação sanguínea.

Nos pacientes com diabetes, principalmente naqueles mal controlados que apresentam glicemia persistentemente elevada, o excesso de glicose acaba por facilitar a ocorrência de um processo chamado glicação da hemoglobina, que nada mais é do que a ligação das moléculas de glicose à hemoglobina circulante, formando um complexo que é chamado de hemoglobina glicada.

A hemoglobina tem uma vida média de 3 meses. Após esse tempo, é destruída junto com as hemácias no baço, um órgão localizado na região superior do abdómen esquerdo. Como o processo de glicação da hemoglobina é irreversível, isso significa que uma vez glicada, a hemoglobina assim permanecerá até ser destruída.

Quanto mais elevada for a glicemia, maior será a formação de hemoglobina glicada. Portanto, pacientes com diabetes descontrolado têm hemoglobina A1c elevada, enquanto pacientes com diabetes bem controlado têm valores de hemoglobina A1c dentro da faixa considerada adequada. Sendo assim, os níveis de hemoglobina glicada nos ajudam, de forma indirecta, a identificar o quão eficaz tem sido o tratamento e como tem andado a glicemia do paciente nos últimos 2 ou 3 meses.

O teste da HbA1c conta o número de células vermelhas do sangue que estão glicadas, ou seja, ligadas a uma molécula de glicose. Se um paciente tem uma hemoglobina glicada de 7%, por exemplo, isso significa que 7 em cada 100 células vermelhas do seu sangue estão glicadas. Em indivíduos não diabéticos, o valor da hemoglobina A1c costuma ser menor que 5,6%. Em pacientes com diabetes descontrolado, a HbA1c pode chegar a valores acima de 12%.

PARA QUE SERVE A DOSAGEM DA HEMOGLOBINA GLICADA?

Imagine a seguinte situação: um paciente pouco aderente ao tratamento passou os últimos meses sem seguir a dieta e esteve tomando os medicamentos para a diabetes de forma irregular. Nesse período, sua glicose esteve descontrolada, muito acima do nível desejável. Faltando 1 semana para o exame o paciente resolve, então, aderir à dieta e passa a tomar os medicamentos de forma correcta. No dia de colher o sangue, sua glicose em jejum está controlada.

Se não existisse a hemoglobina glicada, e o médico utilizasse apenas o resultado da glicemia em jejum, ele poderia achar que o tratamento da diabetes do paciente está adequado, uma vez que a sua glicemia em jejum encontra-se dentro da faixa desejada. Porém, como a hemoglobina glicada representa a glicemia média nos últimos 2-3 meses, é fácil para o médico identificar que, apesar da glicemia em jejum adequada no dia do exame, a glicemia esteve complemente descontrolada nos últimos meses.

Portanto, actualmente, a hemoglobina glicada é o exame mais importante no acompanhamento do paciente diabético, pois é ela quem vai sinalizar se o tratamento proposto está sendo eficaz ou não. Em geral, os médicos solicitam a dosagem da HbA1c entre 2 e 4 vezes por ano, de acordo com as características clínicas de cada paciente.

Mas a hemoglobina A1c não serve apenas para o seguimento do paciente diabético. Conforme veremos mais à frente, também pode ser utilizada como forma de diagnosticar a diabetes.

VALORES NORMAIS DA HEMOGLOBINA GLICADA

Existe uma diferença entre os conceitos de valor normal e valor desejável da hemoglobina A1c. Valor normal é aquele que ocorre nos indivíduos saudáveis, que não são diabéticos. Nestes, o valor da hemoglobina glicada costuma ficar entre 4,0 e 5,6%. Essa é a faixa considerada normal.

Como já referido, os pacientes portadores de diabetes mellitus apresentam uma taxa de glicação da hemoglobina bem mais alta que o normal. Portanto, não é esperado que a hemoglobina A1c dos pacientes diabéticos esteja dentro dos valores normais. Nos diabéticos, o valor desejável de HbA1c é até 7%, bem mais alto, portanto, que o limite de 5,6% dos indivíduos não-diabéticos.

O valor de 7% foi definido como ideal porque a partir deste ponto as complicações da diabetes começam a se tornar mais frequentes.

Sendo assim, os valores da hemoglobina glicada são interpretados da seguinte forma:

  • 4,0 a 5,6% → Resultado normal. Valor esperado para pessoas não diabéticas.

  • Entre 5,7 e 6,4% → Resultado anormal, que indica pré-diabetes, ou seja, elevado risco do paciente desenvolver diabetes a curto prazo.

  • Entre de 6,5 e 7,0% em pacientes sem diagnóstico de diabetes → Resultado anormal, que indica diabetes.

  • Entre de 6,5 e 7,0% em pacientes sabidamente diabéticos e em tratamento → resultado desejado, que indica controle adequado da glicemia.

  • Entre de 7,0% e 7,9% → Resultado anormal para adultos diabéticos, mas que pode ser tolerado em pacientes idosos ou crianças, pois esses fazem parte de um grupo que tem maior risco de desenvolver episódios de hipoglicemia com a medicação para o diabetes.

  • Acima de 8,0% → Resultado anormal, que indica diabetes mal controlado.

RELAÇÃO DA HEMOGLOBINA GLICADA COM A GLICEMIA EM JEJUM

A partir do resultado da HbA1c, podemos também estimar como andou, em média, a glicemia ao longo dos últimos 2 ou 3 meses. A tabela a seguir mostra a relação entre os valores de HbA1c e a glicemia diária média.

HbA1c → Glicemia média

5,0% → 97 mg/dl
5,5% → 111 mg/dl
6,0% → 126 mg/dl
6,5% → 140 mg/dl
7,0% → 154 mg/dl
7,5% → 169 mg/dl
8,0% → 183 mg/dl
8,5% → 197 mg/dl
9,0% → 212 mg/dl
9,5% → 226 mg/dl
10,0% → 240 mg/dl
10,5% → 255 mg/dl
11,0% → 269 mg/dl
11,5% → 283 mg/dl
12,0% → 298 mg/dl

HEMOGLOBINA GLICADA COMO FORMA DE DIAGNÓSTICO DO DIABETES MELLITUS

Nos últimos anos tem se tornado cada vez mais comum a utilização da hemoglobina A1c como forma de diagnosticar a diabetes mellitus. Estudos têm mostrado que a HbA1c é tão confiável quanto a glicemia em jejum para este fim, sendo que a hemoglobina glicada ainda tem a vantagem de não precisar de jejum para ser colhida.

Para o diagnóstico da diabetes é preciso que o paciente tenha 2 exames, colhidos em dias diferentes, com hemoglobina glicada acima de 6,5%. Não basta apenas um exame, é preciso a confirmação.

Dois exames com valores de HbA1c entre 5,7 e 6,4% são indicativos de pré-diabetes

O QUE FAZER PARA BAIXAR A HEMOGLOBINA GLICADA

Como já foi exaustivamente explicado neste artigo, o valor da hemoglobina A1c é o resultado do controle da diabetes nas últimas 8 a 12 semanas. Se um paciente tem uma hemoglobina glicada elevada, especialmente se ela estiver acima de 8%, isso é um sinal de que o tratamento deve ser revisto, pois ele não está sendo eficaz.

O primeiro ponto é confirmar se o paciente tem sido aderente à dieta proposta e ao tratamento medicamentoso. Muitas vezes, não é o medicamento que está na dose errada, mas sim a adesão do paciente ao mesmo. Se o paciente não faz dieta e não toma os medicamentos da forma correcta, não há estratégia terapêutica que consiga controlar a hemoglobina A1c.

Reduzir a insulina traz muitos benefícios, incluindo a redução do risco de câncer. Porém a metformina também reduz os níveis de vitamina B12, o que poderia aumentar o risco de demência. É muito importante monitorar seu nível de vitamina B12, talvez com um teste de homocisteína, se você estiver tomando a metformina.

No entanto, um mineral, uma especiaria e uma mudança da alimentação são muito mais eficazes do que a metformina e não possuem risco algum.

O mineral é o cromo, que é, na verdade, essencial para o receptor de insulina funcionar correctamente. Suplementar 600 mcg por dia (três comprimidos de cromo de 200 mcg, um com cada refeição) tem sido demonstrado de forma consistente que estabiliza os níveis de açúcar no sangue e reverte a resistência à insulina em pessoas com diabetes. Uma revisão sistemática na revista Diabetes Care, concluiu: "Entre os participantes com diabetes tipo 2, a suplementação de cromo melhorou os níveis de hemoglobina glicosilada e glicemia de jejum. A suplementação de cromo melhorou significativamente a glicemia em pacientes com diabetes. "Em alguns estudos, aqueles que tomaram 400 mcg ou mais de cromo, tiveram uma redução do açúcar no sangue cinco vezes maior do que os que tomaram a metformina, e sem efeitos colaterais. O nível tóxico de cromo é 10.000 mcg.

Meia colher de chá de canela por dia também reduz significativamente os níveis de açúcar no sangue em diabéticos, e é também uma óptima notícia para os não diabéticos que têm problemas de açúcar no sangue, mas não têm consciência disso, o sintoma mais comum é cansaço crónico e queda de energia ou sensação de desmaio. Em um estudo todos os diabéticos responderam bem à canela dentro de semanas, com os níveis de açúcar no sangue em média 20 por cento mais baixos do que os do grupo de controlo. Alguns dos voluntários tomando canela alcançaram níveis normais de açúcar no sangue. Você precisa de um monte de canela para este tipo de efeito - 3 a 6 gramas, que é a metade ou uma colher de chá cheia. O ingrediente activo, chamado MCHP, é dez vezes mais concentrado num extrato de canela chamado Cinnulin, logo suplementar com 300-600 mg dele tem o mesmo efeito. Combinando o cromo com o Cinnulin é muito eficaz, logo procure por suplementos que forneçam ambos.

O tratamento único natural mais eficaz para a diabetes é uma dieta de baixo índice glicémico.

Diga não à Diabetes. Combinando isso com o cromo e a canela é mais eficaz do que qualquer medicamento.

Outro factor que deve ser explorado é a actividade física e o controlo do peso corporal. Nem sempre é necessário aumentar a dose dos medicamentos ou alterar o tipo de remédio que o paciente usa. A perda de peso e a actividade física regular podem ser suficientes para ajudar a baixar os valores da HbA1c.

SITUAÇÕES QUE PODEM INTERFERIR NO RESULTADO DA HEMOGLOBINA GLICADA

A hemoglobina glicada é um exame bastante confiável, porém, algumas situações podem causar elevações nos seus valores, como, por exemplo: alcoolismo, insuficiência renal ou anemia por deficiência de ferro, vitamina B12 ou ácido fólico.


::: As informações contidas nestas páginas são resultado de pesquisas bibliográficas desenvolvidos pelo autor. Contudo, não deverão ser usadas como diagnóstico, pois cada caso terá a sua especificidade. Consulte sempre um profissional de saúde. ::: www.facebook.com/alquimiadoeu.eu  :  miguel.laundes@gmail.com  :  © Miguel Laúndes, 2021
Desenvolvido por Webnode
Crie o seu site grátis!