COVID-19 e Água Oxigenada

Será que um tratamento barato e fácil de se realizar em casa é capaz de tratar o novo coronavírus SARS-CoV-2? De acordo com o Dr. Thomas Levy, a resposta é sim. O remédio em questão é a água oxigenada, aerossolizada em qualquer nebulizador convencional.

Conceituado originalmente no início da década de 90 pelo Dr. Charles Farr, o tratamento com água oxigenada é capaz de tratar a maioria das doenças respiratórias virais, inclusive o coronavírus. De acordo com Thomas:

"Embora se espere que diferentes indivíduos apresentem variações nos graus de reacções positivas, esta intervenção pode ser antecipada para eliminar eventuais consequências fatais da doença em todos os casos, menos os mais avançados."

Vale a pena manter em mente que, embora os idosos e pacientes com outras doenças subjacentes estejam sob riscos elevados de sofrerem complicações sérias e até morte, a taxa de mortalidade geral do COVID-19 parece ser baixa, e muito similar à influenza.

É possível encontrar uma compilação das estatísticas de mortalidade recolhidas pelo mundo no artigo "Likelihood of Survival of Coronavirus Disease 2019", publicado na revista The Lancet Infectious Diseases no dia 30 de março de 2020. Para conferir as mais novas atualizações das estatísticas do COVID-19, acesse à página "Coronavirus COVID-19 Global Cases by the Center for Systems Science and Engineering".

Dito isso, considerando o facto de que os cientistas ainda não sabem se os pacientes com COVID-19 vão adquirir imunidade vitalícia ao vírus, ou se ele funcionará como os vírus da gripe e resfriados, que a cada estação apresentam novas oportunidades de infecções. Uma maneira simples e barata de tratar a infecção aos primeiros sinais dos sintomas pode ser uma prioridade.

Como a água oxigenada funciona

Para realizar esse tratamento, é necessário dois itens: um nebulizador com uma máscara facial que cubra o nariz e a parte da saída da névoa fina e o peróxido de hidrogénio de qualidade alimentar.

Tipicamente, o peróxido de qualidade alimentar tem uma concentração de 12%, logo, é necessário diluí-lo para 1% para usá-lo.

Protocolo de Peróxido de Hidrogénio de Levy 

Para evitar que uma infecção ocorra, é necessário iniciar o tratamento logo aos primeiros sinais de sintomas. O peróxido de hidrogénio de qualidade alimentar (12%) deve ser diluído para 1%. Consulte o seu médico antes de administrar o tratamento.

Os vírus não são seres vivos. Precisam de um hospedeiro vivo onde possam infectar células vivas que então vão replicar o DNA e o RNA viral. Uma vez que uma célula fique infectada, os novos vírus gerados saem da célula e infectam a próxima célula para duplicar o processo.

Então, quando falamos em "matar" um vírus, queremos dizer inactivá-lo, quebrando suas estruturas. É por isso que o sabonete funciona tão bem. Os coronavírus mantêm-se unidos por um revestimento lipídico (gorduroso). O sabonete, sendo um anfipático, ou seja, ele pode dissolver a maioria das moléculas, dissolvendo essa membrana de gordura, fazendo com que o vírus se desmonte, inutilizando-o.

Mais especificamente, as substâncias parecidas com gordura presentes no sabonete são estruturalmente similares aos lipídios encontrados na membrana do vírus, de forma que as moléculas do sabonete competem com as gorduras da membrana e acabam substituindo-as. Dessa forma, a "cola gordurosa" que mantém o vírus inteiro dissolve-se.

A água oxigenada funciona de forma similar. Como observado por Thomas, "a forma de controlar qualquer infecção viral não é matando o vírus; são as células infectadas que se tornaram fábricas de vírus que devem ser eliminadas".

Na verdade, as células imunológicas produzem água oxigenada. Isso justifica parcialmente como o sistema imunológico elimina as células que foram infectadas por um vírus. Ao matar a célula infectada, a reprodução viral é cessada. Então, a terapia da água oxigenada, na verdade, só vai auxiliar as células imunológicas a realizarem suas funções de forma mais eficiente.

A água oxigenada também é um importante agente sinalizador redox. Como foi explicado no artigo "Reactive Oxygen Species (ROS) as Pleiotropic Physical Signaling Agents" da minha revista favorita, Nature Reviews Molecular Biology, na edição do dia 30 de março de 2020:

"Nos baixos níveis fisiológicos da faixa nanomolar, o H2O2 é um grande agente sinalizador de alvos proteicos específicos, que agem em regulações metabólicas e reacções ao stress para auxiliar a adaptação celular a alterações do ambiente e ao stress.

Avanços metodológicos recentes permitem a avaliação das interacções moleculares das moléculas de ERO (espécies reactivas de oxigénio) com alvos específicos nas vias de sinalização de oxirredução.

Entretanto, ocorreram grandes avanços no entendimento do papel desses oxidantes na fisiologia e nas doenças, inclusive no sistema nervoso, cardiovascular e imunológico, na musculatura esquelética e na regulação metabólica e até mesmo no envelhecimento e no cancro.

No passado, a eliminação não específica de EROs pelo uso de compostos antioxidantes de baixa massa molecular não obteve sucesso no combate ao início e à progressão de doenças em ensaios clínicos. No entanto, o controlo das vias de sinalização específicas mediadas pelas EROs através do direccionamento selectivo oferece uma perspectiva para um futuro de fármacos redox mais refinados."

Resumindo, a água oxigenada é uma grande ERO, mas embora as EROs normalmente sejam consideradas "ruins", esta é uma generalização inadequada. Como observado neste artigo, a eliminação total das EROs não é aconselhável, pois elas desempenham funções de sinalização importantes.

Ao contrário do stress oxidativo ou sofrimento oxidativo, o stress oxidativo denota um desafio oxidativo que causa efeitos positivos ou benéficos, tornando-o essencial para a sinalização redox.

A água oxigenada tem um longo histórico de usos medicinais

Como foi explicado em um artigo do British Journal of Pharmacology, publicado em 2012, que procurou avaliar o potencial terapêutico da água oxigenada no tratamento do acidente vascular cerebral isquémico:

"...com as recentes descobertas, a água oxigenada está sendo reconhecida como uma molécula endógena, ubíqua e da vida, pois seu papel biológico foi lucidado. De facto, o aumento das evidências sugere que o H2O2 possa agir como um segundo mensageiro com um papel pró-sobrevivência em vários processos fisiológicos...

A presença de H2O2 nos sistemas vivos foi identificada em 1856. No entanto, foi somente em 1894 que o H2O2 100% puro foi extraído pela primeira vez! Em 1888, o primeiro uso medicinal do H2O2 foi descrito por Love, como eficaz no tratamento de várias doenças, inclusive escarlatina, difteria, secreção nasal, coriza aguda, coqueluche, asma, rinite alérgica e amigdalite.

De forma similar, Oliver e colaboradores relataram que a injeção intravenosa de H2O2 foi eficaz no tratamento da pneumonia por influenza na epidemia que ocorreu após a Primeira Guerra Mundial. Apesar dos seus efeitos positivos, o interesse médico em pesquisar o H2O2 mais a fundo diminuiu na década de 40, devido ao desenvolvimento emergente de novos medicamentos.

Notavelmente, Farr é geralmente considerado o pioneiro da "terapia oxidativa" por propor a infusão intravenosa de H2O2 para tratar uma grande variedade de doenças. Posteriormente, Willhelm promoveu o uso terapêutico de H2O2 para o tratamento de cancro, doenças de pele, poliomelite e doenças mentais causadas por bactérias.

Ele definiu o H2O2 como uma "dádiva divina ao sistema imunitário". Outro nome na história do H2O2 foi Grotz, que obteve um efeito analgésico ao testar o H2O2 em si próprio para tratar a dor da sua artrite."

Como se pode ver, embora Farr tenha sido taxado como um charlatão por alguns críticos, outros cientistas e pesquisadores não dispensaram tão facilmente as suas contribuições para a ciência médica.

Os estudos também avaliaram o uso da água oxigenada contra uma variedade de patógenos, inclusive um estudo de 1994 do periódico Poultry Science, o qual descobriu que um vapor microaerossolizado de 5% de água oxigenada "inactivou completamente o vírus infeccioso da laringotraqueíte".

A exposição ao vapor também reduziu a infecciosidade do vírus da Doença de Newcastle, do vírus da bronquite infecciosa e do vírus da gripe aviária, mas não os inactivou completamente. Foi necessário o uso de um vapor com 10% de água oxigenada para inactivar completamente o vírus da Doença de Gumboro.

Outro estudo, publicado no American Journal of Infection Control em 2009, avaliou a eficácia da água oxigenada vaporizada contra viroses em várias superfícies, descobrindo que a exposição ao vapor da água oxigenada em concentrações de 10 partes por milhão resultou em 99% de inactivação após 2,5 minutos.

De forma similar, um estudo de 2014 do Journal of Hospital Infection descobriu que o vapor da água oxigenada eliminou uma variedade de viroses em aço inoxidável, inclusive o adenovírus humano 1, o coronavírus da gastroenterite transmissível dos porcos (TGEV, um substituto do SARS-CoV), o vírus da gripe aviária e o vírus da gripe suína.

De acordo com os autores, "o vapor da água oxigenada foi virucida contra o calicivírus felino, adenovírus, TGEV e vírus da gripe aviária no volume de vaporização mais baixo testado (25 mL)". Em um estudo de 1997, também foi descoberto que a água oxigenada vaporizada inactiva completamente uma variedade de viroses.

A capacidade da água oxigenada de inactivar infecções virais perigosas também recebeu destaque na ciência da vacina. Como observado em um estudo de 2016 publicado no periódico Vaccine. A água oxigenada em 10 volumes inactivou de forma completa e irreversível o vírus da raiva em menos de duas horas, reduzindo assim o tempo e o custo do processo de inactivação necessário para o desenvolvimento da vacina para a raiva (que contém o vírus da raiva inactivo).

Porque razão utilizar um nebulizador?

A terapia elogiada por Farr envolvia a administração de água oxigenada de forma intravenosa. No entanto, isso tornaria a terapia impossível de ser realizada pela maioria das pessoas que desejam uma solução rápida e fácil de ser utilizada em casa. Uma alternativa muito mais barata e conveniente é a inalação do vapor de água oxigenada por meio de um nebulizador (um dispositivo pequeno e manual que converte líquidos em um vapor muito leve).

O vapor microscópico, similar a fumaça, pode ser inalado profundamente, passando pelas narinas, seios nasais e pulmões. Embora os nebulizadores sejam muito utilizados por pessoas com asma para levar medicamentos até aos pulmões, esse sistema afecta o corpo inteiro e não somente os pulmões.

Como observado em um artigo de 2002, "Pulmonary Drug Delivery Systems: Recent Developments and Prospects", "a entrega de fármacos direccionada para o interior dos pulmões, tornou-se um dos aspectos mais importantes dos sistemas de entrega de medicamentos sistémicos".

No caso das infecções respiratórias, o nebulizador tem a vantagem de levar a água oxigenada directamente às regiões mais afectadas pelas viroses respiratórias: seios nasais, garganta, brônquios e pulmões.

"A nebulização eficiente da água oxigenada, quase literalmente, "corta a cabeça da cobra" e os vírus presentes em outros lugares do corpo poderão ser eliminados quando o novo influxo viral estiver terminado", disse Thomas, e adicionou:

"Devemos manter em mente que a água oxigenada elimina os patógenos prontamente ao entrar em contacto com um ferimento aberto. Dessa forma, deve ser fácil de entender por que inserir um leve vapor de água oxigenada em todas as áreas de máxima replicação viral prontamente direcciona o corpo rumo à cura."

O protocolo de água oxigenada de Thomas

Se o nariz já estiver escorrendo, ou se já se estiver com dor de garganta, Thomas recomenda a utilização do nebulizador por 10 a 15 minutos, quatro vezes ao dia, até que os sintomas sejam aliviados. Também é possível utilizar a nebulização de água oxigenada para a prevenção e manutenção, o que é recomendado durante a época da gripe ou durante o pico da pandemia de COVID-19. Thomas observa:

"Como é uma terapia completamente atóxica, a nebulização pode ser realizada quantas vezes desejar. Se realizada diariamente, pelo menos uma vez por dia, a terapia poderá causar um impacto muito positivo no funcionamento intestinal, pois a inativação de colónias patogénicas crónicas presentes na maioria dos narizes e gargantas impede o indivíduo de engolir estes patógenos o tempo todo, juntamente com suas toxinas.

Se a prevenção diária não for uma opção prática, a eficácia desse tratamento é óptima para casos como quando uma pessoa espirra directamente na direcção de outra, ou quando se sai de uma longa viagem de avião com muitos passageiros. Não espere pelo início dos sintomas. Simplesmente faça a nebulização assim que possível."

Fonte: Dr. Mércola

::: As informações contidas nestas páginas são resultado de pesquisas bibliográficas desenvolvidos pelo autor. Contudo, não deverão ser usadas como diagnóstico, pois cada caso terá a sua especificidade. Consulte sempre um profissional de saúde. ::: www.facebook.com/alquimiadoeu.eu  :  miguel.laundes@gmail.com  :  © Miguel Laúndes, 2021
Desenvolvido por Webnode
Crie o seu site grátis!