Cancro do esófago - sete sinais de alarme e factores de risco do tumor

Quando as células do esófago normais envelhecem ou são danificadas, morrem naturalmente. Porém, quando as células perdem este mecanismo de controlo e sofrem alterações no seu genoma (ADN), tornam-se células cancerígenas, as quais não morrem quando envelhecem ou se danificam, produzindo novas células que não são necessárias, de uma forma descontrolada, resultando novamente na proliferação de células cancerígenas.

O cancro do esófago é actualmente o oitavo cancro com maior incidência a nível mundial, variando a mesma, conforme a área geográfica, a etnia e o sexo. Os países asiáticos, como é o caso da China, a Índia, o Paquistão e o Japão, apresentam as taxas mais elevadas de cancro do esófago a nível mundial.

A taxa de incidência do cancro do esófago tem aumentado devido ao aumento do adenocarcinoma do esófago em países ocidentais, como consequência do aumento da prevalência dos factores de risco mais importantes - obesidade e refluxo gastroesofágico.

Factores de risco

Consumo excessivo de álcool 

O consumo superior a três bebidas alcoólicas por dia aumenta o risco de desenvolver cancro escamoso do esófago.

Refluxo gástrico 

Muito comum, o refluxo gástrico traduz-se no movimento anormal de ácido do estômago para o esófago e pode provocar ardor. O ácido pode danificar os tecidos do esófago, pelo que o refluxo gástrico prolongado pode levar ao desenvolvimento de adenocarcinoma do esófago.

Esófago de Barret 

Esta condição pré maligna consiste na transformação do epitélio glandular da parte final do esófago num epitélio diferente e mais parecido com o do intestino. As células deste epitélio têm mais tendência a se transformarem em células cancerígenas.

Idade 

É o principal factor de risco para o cancro do esófago. A incidência aponta para o diagnóstico da doença por volta da 6ª e 7ª década de vida.

Ser do sexo masculino 

Os homens têm 3 vezes mais risco de desenvolver cancro do esófago do que as mulheres.

Ser de raça negra.

Obesidade.

Sintomas

Deverá estar atento e consultar o seu médico se tiver os seguintes sintomas:

Dor ou dificuldade em engolir.

Perda de peso.

Regurgitação alimentar.

Dor no peito ou nas costas.

Tosse e/ou rouquidão prolongada.

Indigestão.

Sensação de queimadura (pirose).

Tratamento

Tendo em conta o estadiamento do cancro do esófago, a equipa clínica multidisciplinar avaliará o melhor tratamento a seguir.

::: As informações contidas nestas páginas são resultado de pesquisas bibliográficas desenvolvidos pelo autor. Contudo, não deverão ser usadas como diagnóstico, pois cada caso terá a sua especificidade. Consulte sempre um profissional de saúde. ::: www.facebook.com/alquimiadoeu.eu  :  miguel.laundes@gmail.com  :  © Miguel Laúndes, 2021
Desenvolvido por Webnode
Crie o seu site grátis!